3 de março de 2013

As fortes manifestações de ontem

Arménio Carlos: «Governo sabe que está por um fio» 


O secretário-geral da intersindical CGTP-IN, Arménio Carlos, disse aos jornalistas, quando se juntou à manifestação de ontem, que o Governo «sabe que está por um fio (e …) não tem legitimidade política, moral e ética para continuar a governar». 

O líder da CGTP-IN lembrou os cada vez mais frequentes protestos em relação a intervenções de diversos ministros, nomeadamente com "Grândola, Vila Morena", de Zeca Afonso, e símbolo da revolução do 25 de Abril de 1974.

Arménio Carlos apelou também à demissão do Governo e disse ser fundamental alterar esta política de modo a potenciar o crescimento e o emprego.

O povo está a acordar e mostra perceber que política é esta que rouba quem trabalha e quem descontou para a sua reforma.



As manifestações da iniciativa do movimento "Que se lixe a 'troika'" em mais de 40 cidades, tiveram o apoio da CGTP e contaram, certamente, com muito mais de um milhão de pessoas, apesar dos números ainda não estarem confirmados.

A canção «Grândola, Vila Morena», foi grito de «revolta» por todo o país.

Várias gerações de portugueses afirmaram «está na hora de mudar» e que «o Governo deve ir para rua».
Os cartazes mostraram humor crítico e revolta «Fora do Governo», «Cortes? Só se for para cortar as troikas» ou «Troikas nunca mais, Portugal sempre», «parem de nos roubar», «Solta a Grândola que há em ti», «Revolução dos escravos» e as vozes e gritaram «o povo é quem mais ordena» «deixa passar que o governo vamos derrotar» «nas escolas e na rua a luta continua», etc. De punho erguido, entoaram-se cânticos e palavras «anti-troika».
O principal alvo dos gritos foi o primeiro-ministro, Passos Coelho. Em algumas das manifestações apareceram coelhos enforcados. Cartazes diziam «coelho só à caçador». 



Nas manifestações foram simbolicamente aprovadas moções de censura ao Governo e exigência de eleições.