13 de janeiro de 2012

Democracia ou Estado Totalitário

As liberdades e os direitos humanos nos EUA

A série de artigos aqui publicados, Direitos Humanos nos EUA, revela uma realidade que não é divulgada na comunicação social em Portugal e na maioria dos paises em que os grandes grupos económicos controlam. (ver também aqui) e (aqui). Com a acentuação da crise do capitalismo,  Obama tem deixado cair o disfarce e mostra a sua natureza de servidor do sistema, de poder dos grandes capitalistas sem pátria.
A recente passagem do 10º aniversário da inauguração da Prisão e Campo de Tortura de Guantanamo, é um exemplo entre muitos, da falsidade das promessas de Obama. 

A censura na Internet

No próximo dia 24 o Senado norte americano vai votar uma lei que autoriza o Governo a criminalizar qualquer Web cujo conteúdo seja considerado ilegal ou perigoso. De acordo com o texto, a simples colocação de um artigo numa rede social pode motivar a intervenção da Justiça de Washington.
  
A lei, será de aplicação mundial. Por outras palavras, se uma Web europeia, asiática ou africana publicar algo que as autoridades norte-americanas considerem «perigoso», pode ser bloqueada nos EUA por decisão da Justiça de Obama.


A Constituição Americana tornada sem valor
  
A Lei da Autorização da Segurança Nacional, aprovada, sobrepôe-se à Constituição do país.

Com pretexto no "terrorismo" Obama elimina liberdades fundamentais e muitos dos Direitos Humanos. A partir de agora, qualquer cidadão sobre o qual pese a simples suspeita de ligações com «o terrorismo» pode ser preso por tempo ilimitado e, eventualmente submetido à tortura no âmbito de outra lei aprovada pelo Congresso.


Leis de Hitler inspiram a política dos EUA

Michel Chossudovsky lembrou a semelhança destas leis com as que Hitler produziu para justificar a persiguição dos Judeus e Comunistas, em 1933, após o incêndio do Reichstag.

Conforme referido ontem, aqui, Obama justificou há dias o Orçamento de Defesa, pela necessidade de os EUA manterem a hegemonia no planeta. O Pentágono é agora dirigido pelo ex-director da CIA. 
A fascização das Forças Armadas é cada vez mais acentuada.
 
Os EUA deixaram de ser um país democrático
 
A partir da derrota dos países socialistas do Leste da Europa, há 20 anos, os EUA passaram, descaradamente, a mostrar a sua verdadeira face, aumentando domínio e a exploração de muitos povos do mundo.

Observadores internacionais cada vez mais reconhecem a falta de democracia na América do Norte.

Chossudovsky vai mais longe ao mostrar que nos EUA se acentua a tendência para «um Estado totalitário militar com traje civil».

Estas realidades são silenciadas pela comunicação social, controlada pelos grandes grupos económicos.