9 de setembro de 2016

Voltei...

... aliás não me afastei demasiado, apenas me mantive observando...

Na realidade foi uma ausência de quase um ano. Fazer um blogue que seja merecido exige tempo. Tempo que tem que ser constante. Os dias passam com a regularidade que a rotação da terra impõe, as horas por cada volta que o ponteiro dos minutos dá... A vida não pára e, os assuntos que nos assaltam, ferem, empurram, ou nos abraçam são cada vez mais e mais complexos. 

Que opções tomar? É resposta que procuro, que revejo, que sigo, que altero na cadência que a vida impõe, tal como a água que corre no rio procurando sempre o melhor caminho.

Enfim...
Neste interregno, passada a Festa do Avante e recuperado (?) da agressão bem sentida feita pelos chamados "órgãos de comunicação social" que maltrataram a ímpar, a maior, a mais bela festa popular, o maior evento político-cultural realizado em Portugal - e porventura no mundo - recomposto dessa vil agressão, vou registar aqui, para quem quiser ver, o que é o "jornalismo" controlado pelo grande capital.

É uma luta desproporcionada. Mas se David venceu Golias, cegando-o, pode ser que uma destas fotos, ao contrário, abra os olhos dos que se julgam gigantes e são cegos.

Como disse Miguel Esteves Cardoso, na revista “SÁBADO”, de 13 de setembro de 2007,
«Porque é que a Festa do Avante faz medo? 
É muita gente; muita alegria; muita convicção; muito propósito comum. 
Pode não ser de bom-tom dizê-lo, mas o choque inicial é sempre o mesmo: chiça!, Afinal os comunistas são mais que as mães. E bem-dispostos. 
Porquê tão bem dispostos? O que é que eles sabem que eu ainda não sei?». 

De facto o ambiente de alegria e convívio, acolhedor e solidário, com segurança e tranquilidade, é único. Ambiente que acompanhou sempre as 40 Festas do Avante desde a sua concepção e construção, à sua divulgação e venda da EP, até ao seu funcionamento, só possível graças ao espírito de fraternal camaradagem de milhares de militantes do PCP e da JCP e de amigos do Partido e da Festa. 

Foi assim que a Televisão viu a Festa? 
Não! a Televisão fez o frete de mostrar o trivial, de tratar a Festa do Avante pior que muitas outras festarolas sem nível com que nos massacram frequentemente. Mostrou apenas o mínimo para enganar. Para que não fosse demasiado evidente a deturpação da sua informação. Não me sendo possível mostrar tudo o que é a Festa do Avante vou apenas mostrar algumas das modestas fotos que fiz:
 > >

 

O Concerto de sexta-feira no palco 25 de Abril





Cito Manuel Pires da Rocha: «Quando os músicos entraram no palco, para ocuparem os seus lugares na orquestra, já havia milhares de visitantes da Festa no relvado do Palco 25 de Abril. E muitos mais caminhavam em direcção à Praça de revista-programa em punho, aberta na página do Concerto Sinfónico para um Glorioso Aniversário.» Vale a pena ler o seu belo texto em (http://www.avante.pt/pt/2232/Festa_do_Avante/141972/)
 




Citando ainda o referido texto, «A Festa do Avante! é o lugar em que a música erudita se vê livre dos veludos em que as classes dominantes a pretendem encerrar, para se oferecer a quem a quiser para si, ali onde a proposta cultural e a disponibilidade para a novidade é matéria mesma da «Cultura Integral do Indivíduo».

Festa que é festa




Mas quem fez a Festa?
Os seus construtores, foram os milhares de camaradas e amigos que, em
jornadas de trabalho militante, a ergueram e a tornaram acolhedora, e a fizeram funcionar, num ambiente de convívio, amizade e camaradagem só possível de encontrar em quem fez de Abril os seus valores, como referiu o director do Jornal Avante.


























Jovens provenientes de vários países, logo se envolveram no ambiente de alegria e camaradagem que caraterizou as "jornadas de trabalho", toda a Festa e a sua solidariedade internacionalista.


 












Festa do Avante!, com os seus conteúdos político-culturais, as suas dimensões de convívio, fraternidade, humanismo e solidariedade e o ambiente geral de entusiasmo e alegria











«Somos um Partido que resiste e avança, um Partido que os trabalhadores, o povo e o País precisam que seja cada vez mais forte» disse Jerónimo de Sousa.


















Os Espaços alargados que a Quinta do Cabo tornou ainda maiores



































































Foto do Avante




No Espaço Ciência e noutros, biologia, química, ciência dos materiais, astronomia, astrofísica, ciências sociais, história, antropologia, sociologia e muitas outras disciplinas não foram esquecidas nesta festa que é única.








Enfim. É impossível descrever neste espaço o que foi, o que é, a Festa do Avante, a festa que incomoda muita gente e por isso é tão mal tratada pela Televisão e comunicação social dominada por interesses do grande capital.

Como disse Anabela Fino, «Quarenta festas depois a Festa continua a lançar à terra sementes de futuro. O esforço não é pequeno – que o digam os construtores! – mas os frutos, como os filhos, fazem com que valha a pena».