10 de fevereiro de 2013

Dia 10 de Fevereiro de 1847

Faz hoje 166 anos que os trabalhadores conquistaram a jornada das 10 horas diárias

Luta pela redução do horário de trabalho, para que todos tenham o trabalho justo

A pretexto de uma crise que é alheia aos trabalhadores o capitalismo procura intensificar a exploração. São as reduções de salários, o aumento dos impostos para pagar a crise e o aumento dos tempos de trabalho. As consequências estão à vista de todos. Acentuação das desigualdades e mais desemprego.
 

O horário de trabalho e a exploração


A luta pela redução da jornada de trabalho é tão antiga como a luta de classes. Hoje faz 166 anos que foi promulgada em Inglaterra a Jornada de trabalho das 10 horas.
Marx mostrou que a jornada de trabalho é dividida em duas partes: O tempo de trabalho socialmente necessário e a mais-valia sacada pelo proprietário dos meios de produção. Assim o trabalhador trabalha mais tempo do que o que corresponde à sua remuneração.
 

Não é necessário o atual tempo de trabalho

Este prolongamento da jornada de trabalho imposta aos trabalhadores é apenas justificável para a produção da mais-valia para os capitalistas. Numa sociedade socialista, bastaria trabalhar o período referente ao tempo socialmente necessário.
 A luta pela redução da jornada de trabalho é uma luta justa especialmente na medida em que as máquinas e a moderna tecnologia substitui muito do trabalho humano.

 
A quem convém o aumento do horário

Marx provou que esta luta é um direito dos trabalhadores, que são roubados em parte de sua força de trabalho. Este roubo é a medida da exploração que gera a riqueza dos proprietários dos meios de produção, das fábricas e das empresas.
Aos capitalistas não convém a redução da jornada de trabalho não só para incrementar os seus lucros como para aumentar o desemprego e assim melhor dominar os trabalhadores. 


Aumentar o tempo de trabalho para aumentar o desemprego

A redução da jornada traria a possibilidade de distribuir o trabalho entre todos, extirpando, assim, o crescente problema do desemprego.

Numa sociedade socialista, a redução da jornada de trabalho, é um importante factor de desenvolvimento das pessoas em que homens e mulheres podem dedicar seu tempo livre para atividades socialmente mais agradáveis e úteis, de caráter cultural, artístico e de participação na vida social.


Uma sociedade justa para todos


A sociedade do tempo livre, ou da liberdade, só poderá ser constituída com a propriedade social dos meios de produção e o poder político controlado por quem produz, os trabalhadores. Só a luta, unidade e organização dos trabalhadores levará a essa sociedade que inevitavelmente substituirá esta podre e injusta sociedade capitalista.