23 de março de 2012

C de Conceitos


As classes sociais e a luta de classes 

o texto completo está (aqui)

O artesão que fazia colheres

Um artesão, que fazia 10 colheres, 10 garfos e 10 facas por dia e vendia cada peça por 2 euros, ao fim do dia "facturava" 60 euros que chegavam para comprar a matéria prima e sustentar a família.
Imaginou uma prensa que lhe poderia facilitar o trabalho mas não tinha dinheiro para a construir.

Um proprietário de terras, com bens e dinheiro, soube do sonho do artesão e encomendou a outro ferreiro uma prensa para fazer colheres. Contratou um trabalhador para trabalhar com a prensa e assim passou a produzir 500 colheres por dia. Vendendo as colheres a 1 euro, ganhava o suficiente para pagar 40 euros ao trabalhador mais 200 euros de matéria prima e ainda ficava com 260 euros por dia para si.

O artesão que fazia as colheres facas e garfos passou a fazer apenas facas e garfos pois o dono da prensa que tinha um operário a trabalhar inundou o mercado com colheres mais baratas.

O industrial de talheres
Mas o dono da prensa, que diariamente arrecadava 260 euros, amealhou 100 euros, gastando em bens para a sua vida pessoal "apenas"160 euros. Com os 100 euros amealhados em cada dia, mandou fazer mais uma prensa para produzir garfos.

Com essa prensa contratou mais um trabalhador e passou a produzir diariamente 500 colheres e 500 garfos. Vendeu os garfos também a 1 euro e assim facturou por dia 1000 euros.
Desses 1000 euros, pagava 80 aos dois trabalhadores, gastava em matéria prima 400, aumentou-se para 200 euros e guardou 320 para comprar uma prensa para fazer facas.

  
É evidente que o artesão que fazia facas à mão e nunca teve dinheiro para comprar uma prensa, teve que fechar a sua oficina e ofereceu-se ao dono das prensas para trabalhar com a sua máquina de fazer facas. O dono das prensas sabendo que o artesão não tinha alternativa, ofereceu-lhe apenas 35 euros por dia. O artesão teve que aceitar.

De concorrente a monopolista

Assim, o dono das prensas de fazer colheres facas e garfos, tendo eliminado a concorrência dos artesãos subiu o preço dos talheres para 1,5 euros. Apesar disso os preços de venda eram mais baratos do que os dos artesãos e estes ganhavam quase o mesmo que trabalhando manualmente, quando vendiam cada talher a 2 euros.

Parecia que deviam estar todos satisfeitos. O dono das máquinas passou a facturar 2250 euros por dia, a pagar 115 euros aos operários, a gastar 750 euros na matéria prima e a lucrar 1385 euros por dia.

Do ponto de vista de remuneração, a perca dos operários não foi grande. Contudo pensavam:
Nós fizemos as máquinas, trabalhamos com elas, ganhamos 40 euros por dia e o patrão que pouco trabalha, mas teve dinheiro para comprar as máquinas ganha 1385 euros por dia.

Alguma coisa deve estar mal

Tinham a noção de que algo não era justo, mas parecia-lhes que tinha que ser assim, porque sempre assim foi. Até que
...