15 de dezembro de 2011

Governo quer destruir o Sistema Público de Transportes

Mais um crime económico contra o país. Entrega ao grande capital estrangeiro das empresas nacionais




Jerónimo de Sousa acusou o Governo de querer transferir o controlo público da CP, da CP Carga, da TAP, da ANA, da CARRIS, da Transtejo, da Soflusa, do Metropolitano de Lisboa ou dos STCP, para as mãos do grande capital estrangeiro, ou melhor para o grande capital Alemão ou Francês de onde são oriundas empresas como a DB, a ARRIVA, ou a Transdev.

Jerónimo de Sousa apelou para a luta dos trabalhadores e dos utentes para impedir tal destruição com as consequências que se adivinham. Redução das carreiras, aumento dos preços e pior serviço às populações. 

Trata-se de entregar aos privados a CP, a CP Carga, a TAP, a ANA, a CARRIS, a Transtejo, a Soflusa, o Metropolitano de Lisboa ou dos STCP.

O Governo disse que nada estava decidido mas, mais uma vez, mente! Como disse Jerónimo de Sousa "está a ser implementada uma política de factos consumados a coberto de um intenso manto de demagogia e manipulações. Incapaz de discutir com o PCP, com os utentes e os trabalhadores, que lhe desmascaram as mentiras e expõem as suas criminosas intenções, o Governo prefere a política das atoardas e dos factos consumados".

Cinco exemplos concretos:

- Às escondidas dos trabalhadores, dos utentes e da própria opinião pública, iniciou-se este Domingo dia 11, a supressão de serviços na CP afectando milhares de utentes das linhas suburbanas e do serviço regional, que ficam ainda mais condicionados no seu direito à mobilidade indispensável para poderem trabalhar, estudar, ou aceder a serviços. 

- O Governo prepara-se para despedir metade dos 1200 trabalhadores desta empresa, para encerrar a unidade de produção de vagões, para liquidar as oficinas do Barreiro, para entregar aos operadores privados as oficinas de Guifões, Contumil, Oeiras e Campolide.

- O Governo quer entregar a grupos privados estrangeiros, o transporte aéreo, que gerou 2300 milhões de euros em Portugal (cerca de 1,4% do PIB), que garantiu 59 mil postos de trabalho (24 mil dos quais de forma directa), que contribui com mais 3300 milhões de euros através do sector do turismo, e com um valor acrescentado bruto por trabalhador que é o dobro da média nacional, em que a TAP é o primeiro exportador nacional.

- O Governo anunciou o fim das isenções de 50% no custo dos passes sociais para estudantes e idosos, a partir do próximo dia 1 de Janeiro. É mais um bónus para aumentar os lucros dos privados a quem quer entregar as empresas a acrescentar ao maior aumento de que há memória no preço dos bilhetes. 

- O último exemplo apontado por Jerónimo de Sousa, prende-se com a campanha vergonhosa feita contra os trabalhadores das empresas públicas de transportes enquanto o Governo promove o encerramento de imensas linhas ferroviárias. 

O PCP reafirmou que o país está perante uma política para o sector dos transportes que é absolutamente criminosa. 


Pode ser lida a intervenção completa (aqui).