25 de maio de 2014

Votantes e abstencionistas condenaram a política de direita

Se os todos os descontentes com esta política tivessem votado, em vez de se absterem, os partidos da troika estariam definitivamente condenados.

Como foi dito no texto anterior deste blogue,  "Para que servem umas eleições europeias" transcrevendo José Goulão, "Os cidadãos estão longe e alheados porque isso convém a quem manda. A indiferença é uma variante de docilidade; o desinteresse é outra forma da sensação de impotência perante a força do poder instalado; a passagem amorfa e conformada das horas de cada dia é a novela real no meio das outras, tudo servido com a anestesia da propaganda mainstream."

Se temos tido os governos que tivemos - e temos - a culpa é dos portugueses que não se revoltam e preferem abster-se, quer da luta quer de votar.

Contudo, apesar da abstenção - ou até por isso - foi clara a condenação desta política. Foi claro a esperança numa mudança, prometida, - mais uma vez - pelo PS, como foi claro o apoio a uma política alternativa e de esquerda, corporizada pela CDU.