10 de maio de 2012

Os governantes da direita


Mário Lino, jamais

Crescem as evidências acerca da personalidade dos governantes que o PS - e outros da direita - escolhe.
A lista é já extensa e não se refere apenas a um Governo. É a prática constante dos partidos de direita que nos (des)governam há 36 anos. Mário Lino, já envolvido em vários casos crime, é agora confrontado com falsas declarações. O crime em questão é punível com uma pena de até cinco anos de prisão.

Em causa estão depoimentos assinaladas pelo procurador Marques Vidal e que se reportam aos contactos de Mário Lino com o presidente da Refer, Luís Pardal, sobre Manuel Godinho, principal arguido do processo “Face Oculta” e com o próprio sucateiro de Ovar.


Diz o povo que, quem nasce torto, tarde ou nunca se endireita. Diz também o povo que, o exemplo vem de cima e quem sai aos seus não degenera. Foi assim que Mário Soares, o patriarca do oportunismo, aquele que disse que em política tudo serve para ganhar «Em política, feio, feio, é perder», começou e não degenerou. O problema do país e dos portugueses é que permitem que alguns ganhem para que todos os outros percam. 
Sabemos que todos os homens têm defeitos, uns mais outros menos, é claro. Mas, quando estes valores negativos são defendidos e estimulados por quem representa uma política, algo está mal que transcende os defeitos individuais. 
Serve bem a consigna "defender os valores de Abril" para que se retome a "revolução interrompida" por estes "senhores". 
Sobre isto, que caracteriza a política de direita, espero brevemente desenvolver mais alguns dados pouco conhecidos.