26 de fevereiro de 2011

com que então geração parva...

Ora toma!

Não acredito que a senhora Isabel Stilwell seja tão parva como mostra no seu Editorial do Destak de 17/02/2011, que só hoje vi por uma referência no Facebook. Certamente parva não é, pois, quem se faz de parva tão bem como mostra, deve ser bem competente. Por isso as suas funções num grupo económico que domina uma boa parte da comunicação social em Portugal. A tal comunicação dita "social" que manipula a informação de acordo com as ordens do dono, ou as ordens que o dono recebe dos seus donos. É assim que se moldam as mentalidades. 
Voltando ao Destak, de acordo com as palavras de um dos 1585 comentadores que puderam exprimir-se livremente, pois muitos foram censurados, "O jornal destak é distribuido pela Cofina Media, do qual fazem parte, entre outras edições, a revista Sábado, a Revista GQ, a Automotor, a Rotas & Destinos, a PC Guia, a Máxima, a Máxima Interiores, a TV Guia, a Vogue, a flash!, a semana informática, o Jornal Record, o Jornal de Negócios, e (imagine-se) o Correio da Manhã (porque é que isso não me deixa surpreso?)". Seguidamente o comentador Joaquim Ribeiro avança com a sugestão de manifestar o repúdio por tal editorial, cancelando e boicotando a compra de qualquer daqueles jornais e revistas, para que "esta Sra. vá para o fundo de desemprego, para assim começar a fazer parte da solução, e deixar de fazer parte do problema". 




Na realidade, os 1585 comentadores, foram um desmentido às torpes acusações da Directora do Destak e, uma prova de que, apesar das acusações parvas, os jovens não se deixam levar como cordeirinhos (tal como se deixam levar alguns "jornalistas") por quem os quer escravizar ou, mais propriamente, os quer explorar, como mão de obra barata para os altos lucros de alguns.


Isto, de quem é parvo, chamar parvo a outros, fez-me lembrar uma quadra de António Aleixo, a quem peço desculpa por trocar uma palavra.


Dizem que pareço um parvalhão
Mas há muitos que eu conheço
Que não parecendo o que são 
São aquilo que eu pareço.


Agora digo eu:


Não fora eu gerar
um problema de rima 
bem deveria trocar
parvalhão por parvalhona.