9 de maio de 2012

A irracionalidade do capitalismo (3)


O Deus lucro contra as necessidades humanas

O capitalismo é um sistema que tem por objectivo o máximo  lucro do proprietário dos meios de produção. Por isso tudo o que não seja para dar lucro é excluido desse sistema produtivo e económico ou financeiro.
A capacidade do ser humano para dar sentido à vida com dignidade, felicidade e liberdade, não se inscreve nos objectivos do capitalismo. 

Hoje o capitalismo na sua fase especulativa e financeira, atingiu o máximo da irracionalidade pois gera uma massa colossal de capital, fictício, virtual, sem aplicação produtiva. Apenas se destina a reproduzir-se sem criar riqueza.

O supremo objectivo do lucro, obriga a um constante aumento de produção de bens invendáveis, e a criação artificial de necessidades para aumentar o consumismo sem utilidade.


Por outro lado, à medida que aumenta a exploração das massas trabalhadoras, reduz o poder de compra e a possibilidade de escoar todos os bens produzidos

Por isso o capitalismo prefere destruir os bens não vendidos ou "descontinuados" para não baixar os preços face a uma oferta maior que a procura. Outra forma de tentar resolver essa contradição é destruir bens, destruir capital, destruir capacidade produtiva. Daí as falências, as fusões e encerramentos de empresas, os despedimentos em massa que se verificam por todo o mundo.

É evidente a aberração e a irracionalidade do capitalismo que prefere destruir produtos e reduzir a produção quando milhões de seres humanos carecem desses bens e podiam ver as suas necessidades satisfeitas.

O objectivo é o de produzir sempre mais lucro, para meia dúzia de grandes capitalistas, não o de satisfazer as necessidades humanas.