12 de abril de 2012

Defender o Serviço Nacional de Saúde


Manifestações Sábado dia 14 nas principais cidades do País


O Movimento de Utentes dos Serviços Públicos (MUSP) mais as estruturas sindicais e movimentos sociais, CGTP-IN - Uniões Sindicais – Federação Nacional dos Médicos, Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública – Sindicato dos Enfermeiros Portugueses  – Direcções Regionais do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses de Lisboa, Porto e Setúbal, MURPI e outras estruturas apelam a todos os cidadãos para a manifestação em defesa do SNS, 

Sábado 14, nos seguintes locais:

Lisboa - Setúbal – Braga e Viana do Castelo juntos - Porto e Aveiro juntos – Coimbra, 
Leiria e Viseu juntos- Covilhã - Santarém - Beja - Évora - Portalegre - Grândola e Seia.

Cumpra-se a Constituição!
  
Os Governos têm vindo a retirar direitos sociais e laborais a utentes e trabalhadores. A qualidade dos serviços de saúde piora e encarecem.

Aumentam as taxas moderadoras, o custo dos medicamentos. Acabam apoios ao 
transporte de doentes.  Encerram muitos serviços de proximidade. Aumentam as dificuldades para muitos portugueses no acesso aos cuidados de saúde.


Aumentam as mortes, o número de doentes e regressam doenças que tinham sido extintas
  
Tais medidas são também responsáveis pelo aumento de mortes no mês de Fevereiro. Mais  quatro mil do que a média dos últimos dez anos.

O número de doentes em lista de espera no final de 2011 era superior a 175 mil, mais cerca de 14 mil em apenas um ano.
O número de utentes sem médico de família tem aumentado, sendo actualmente mais de um milhão e meio.
   
Os negócios dos privados
  
O governo empurra os doentes para os negócios dos privados. Os custos dos tratamentos privados são mais caros e custam mais ao país. 

Estes são alguns dos resultados das políticas de direita e de privatizações que tornam os Serviços de Saúde Privados um negócio à custa de todos os portugueses.