30 de novembro de 2014

Discurso de António Costa

António Costa e a rutura com a política de direita

O novo "líder" do PS, António Costa, faz um discurso de punho erguido, com clara linguagem de esquerda. Forma ou conteúdo? eis a questão.

Prometeu "Com a direita nunca", com a esquerda logo se vê. 
Usou as mesmas palavras e expressões do PCP. "Não é possível ser alternativa às actuais políticas com querer prosseguir as actuais políticas", disse.

Aproveitando o que disse Jerónimo Sousa, António Costa disse que os partidos não podem ser vistos como "farinha do mesmo saco".

A ruptura com a direita foi assumida por António Costa afirmando-se como Alternativa tal como há anos o PCP definiu para a sua política Alternativa, patriótica e de esquerda. Usou a mesma expressão do retrocesso "cultural e civilizacional". Usou a mesma ideia de que os Partidos não são todos iguais, como o PCP vem mostrando, para utilizar em seu benefício o que os portugueses começam a verificar. "Todos os dias há um exemplo do que nos distingue da direita", afirmou. A ideia é concentrar as atenções na corrupção e nos escândalos de responsáveis do PSD ou do CDS fazendo esquecer os do PS.

Temos que estar muito atentos à estratégia que está a ser seguida, claramente para captar votos à esquerda e não à direita.


às zero horas corrigido democrática <> patriótica