6 de novembro de 2011

Estão em causa os direitos humanos

A pretexto da crise o governo destrói os direitos fundamentais

Só quem tem dinheiro tem liberdade. E hoje o dinheiro está nos cofres de alguns.
Acentuam-se as desigualdades. As necessidades básicas da maioria da população estão em risco.

Jerónimo de Sousa disse ontem que o governo está a preparar "medidas que visam levar ainda mais longe o grave pacote anti-laboral que tem vindo a tornar público". Disse também que o governo não esconde que quer "reduzir a pó o direito de todos os trabalhadores ao 13º. e 14º. mês. Reduzir o tempo de férias. Reduzir os feriados e fazer regressar a semana-inglesa com trabalho gratuito", dando continuidade ao que decidiu sobre o "alargamento do horário de trabalho; de eliminação do direito a descanso em dias feriado que se poderão traduzir na destruição de mais de 250 mil postos de trabalho; de redução do pagamento das horas extraordinárias e do trabalho nocturno e do valor das indemnizações e do alargamento dos motivos de despedimento sem justa causa".


A vida pessoal está em causa

Como mostrou o Secretário Geral do PCP "estas medidas são de uma enorme gravidade que não pagam nem a dívida, nem diminuem o défice, apenas aumentam a exploração e concentração da riqueza e que conjugadas, nomeadamente com o banco de horas conduzirão à implosão da organização do tempo de trabalho, em prejuízo do direito à autonomia e ao direito à planificação da vida pessoal de cada um".