5 de outubro de 2011

As responsabilidades da crise, para tótós.

1ª Parte - Os portugueses (os trabalhadores?) gastam acima das suas possibilidades.


É frequente o governo desculpar-se com a crise para justificar a política que os leva a penalizar os trabalhadores e a população em geral.

Os argumentos para enganar tótós são muitos.
Jornais e televisão insistem em retransmitir esta ideia. 

Os portugueses que gastam acima das suas possibilidades foi argumento muito batido. Contudo como nem todos somos tótós e fomos descobrindo que quem gasta acima das suas possibilidades são os que sacam à fartazana em remunerações de 5.000, 10.000 e mais euros ou acumulam reformas pelos tachos que também tinham e têm remunerados a mais de 10.000 e 20.000 euros mensais. E como o exemplo vem de cima o nosso Presidente fez questão de confirmar.
 Carro do electricista que fez horas extraordinárias

Há dias foi dada uma notícia, já aqui referida, que enquanto os carros novos de gama baixa estão a reduzir as vendas, carros de luxo e topo de gama como os Porsches aumentaram as vendas em 40%. Claro que a Televisão não se atreveu a comentar esta verificação. 

Numa outra notícia a Televisão informava que aumentam as casas a ser vendidas em hasta pública. Acrescentou que era uma boa oportunidade para alguns fazerem bons negócios. Quem é que gasta acima das possibilidades? Quem tem que vender a casa ou quem compra casas, muitas de luxo, só porque é um bom negócio? A esses a banca dá todo o crédito que puder, o que na estatística aparece como muita gente a viver dos créditos.

Ontem a RTP deu uma nova versão dos "portugueses viverem acima das suas possibilidades" ao apresentar um estudo da pordata que concluia que importamos mais do que exportamos. Esta é a versão que toca num dos problemas essenciais.
 Carro comprado com o subsídio de desemprego como entrada inicial
Hoje o Presidente da República, o tal que dá o exemplo, voltou a repetir que os portugueses vivem acima das suas possibilidades. Das duas, uma! Ou está a falar de alguns, ou as possibilidades estão a ser reduzidas abaixo das necessidades.
Teve esse senhor o descaramento de dizer que temos que aproveitar as nossas potencialidades. Toda a gente sabe que a maior potencialidade de uma sociedade são as pessoas. Contudo ele tudo faz para facilitar os despedimentos e aumentar o desemprego.
Referiu-se ainda às nossas potencialidades do mar quando foi ele que subsidiou o abatimento da frota pesqueira.
 Carro do ministro da Justiça Social

É um facto indesmentível que importamos mais que exportamos. Mas quem impôs esta política? Recordem-se dos governos PS, PSD e CDS a mando de Bruxelas, a darem subsídios para acabar com a agricultura e muitas indústrias que precisavam de ser ajudadas. Abriram, ainda, as portas à venda de empresas portuguesas às multinacionais, muitas delas encerradas depois, e que levaram, para os accionistas estrangeiros, muitas centenas de milhões de euros da nossa produção.
Muitos patrões compraram Porsches e Lamborguinis e encerraram as empresas deixando os trabalhadores na rua. 
Há quem se atreva a dizer que os portugueses não querem trabalhar. Quem é que não quer trabalhar? E assim os responsaveis pelo governo deste país, eleitos pelo povo, é certo, destroem as nossas potencialidades e fazem os trabalhadores pagar a crise.

Resumindo e concluindo: Quem governa este país há 35 anos tem vindo a agravar a crise mas culpa os trabalhadores e obriga-os a pagar os defices e as dívidas que eles não criaram. Há ainda muitos tótós que vão nisto.