3 de maio de 2011

Moeda de duas faces e um bordo

Ontem, estava eu numa conversa, 
a discutir as soluções para o país e o voto do dia 5 de junho e, um amigo, fez o seguinte comentário: 

Vocês só falam da direita e da esquerda. Não se esqueçam que uma moeda para além das duas faces tem bordo.

Não fiquei certo se esse meu amigo, que anda pelas áreas do esquerdismo, e dizia que os partidos são todos iguais, advogava um voto alternativo ou o voto em branco.
No entanto achei interessante a imagem e respondi mais ou menos isto:

De facto, a comparação é interessante.
  
Apesar de ter algumas reservas quanto ao abuso de classificações do que é direita e do que é esquerda, vamos seguir o exemplo da moeda. 
  
Ao longo da história da humanidade, sempre os homens, e mulheres, claro, lutaram, uns por explorar os outros, e os outros para se libertarem da exploração e injustiças. 
Nesta luta, de facto, houve sempre duas faces. Uma, a dos explorados, outra a dos exploradores. Normalmente, há uma face que está por cima e a outra por baixo. Mas, é certo, também houve sempre os bordos da moeda. 

Experimenta pôr uma moeda de pé em cima duma mesa e equilíbra-a para que nenhuma das faces fique em baixo. Ao mínimo estremecimento a moeda cai para um dos lados.

Por isso, concluí: Se não te queres arriscar a ficar por baixo o melhor que tens a fazer é pôr a tua face virada para cima. Agora escolhe qual das faces queres. A responsabilidade é tua.