18 de março de 2011

18 de Março de 1871 - Comuna de Paris

Faz hoje anos a Comuna de Paris. Primeiro governo operário da história, fundado em 1871.


Como referi nos textos "O que é aDemocracia" apesar do poder operário na Comuna ter durado apenas 72 dias, foi um episódio muito importante e discutido, por ser a primeira tentativa séria de transformação da sociedade. Foi o primeiro governo operário da história, disse Karl Marx na altura.
A Comuna de Paris resultou da insurreição popular de 18 de março de 1871. Durante a guerra franco-prussiana, as províncias francesas elegeram para a Assembléia Nacional uma maioria de deputados monarquicos favorável à capitulação ante a Prússia. A população de Paris, opunha-se a essa política e obrigou o governo a abandonar precipitadamente a capital francesa. A Comuna de Paris adotou uma política de caráter socialista, baseada nos princípios da Primeira Internacional.


O poder comunal manteve-se durante 72 dias, enfrentando não só o invasor alemão como também tropas francesas, mas acabou por ser esmagado com extrema crueldade. Mais de 20.000 communards foram executados pelas forças de Thiers. Os alemães tiveram ainda que libertar militares franceses feitos prisioneiros de guerra, para auxiliar na tomada de Paris.




Aproveito para citar algumas passagens de um artigo de opinião do Avante. 

«Os proletários da capital no meio dos desfalecimentos e das traições das classes governantes, compreenderam que para eles tinha chegado a hora de salvar a situação tomando em mãos a direcção dos negócios públicos...».
Diz seguidamente Manuel Gouveia, autor do artigo "Faz 140 anos que o proletariado de Paris iluminou a história." chamando a atenção para a actualidade dos objectivos "pela  decisão, histórica e pioneira, de passar à concretização da tarefa do proletariado tomar nas suas mãos o poder do Estado".
Relacionando com a situação que se vive em Portugal, Manuel Gouveira recorda que "passado dia 12 de Março reforçou a importância de aqui lembrar esta actualidade. Pelo que revelou do grau de consciência existente hoje da «traição das classes governantes» e de que é «chegada a hora de intervir». Pelo que revelou do atraso na compreensão de que, também hoje, a tarefa do proletariado é «tomar nas suas mãos» o poder, e não o de escolher entre os representantes das classes dominantes os que administrarão o Estado". Manuel Gouveia, realça que "No dia 19 de Março, a luta continua. Desempregados, precários, efectivos, com contratação colectiva ou sem ela, do sector privado ou da administração pública, a recibos verdes, contratados à hora ou ao mês, bolseiros e estagiários, aprendizes ou mestres, mas todos, todos, proletários, todos dependentes da venda da sua força de trabalho, todos explorados. É a luta do trabalho contra o capital, que há séculos faz mover a história.

Como aprendemos com os que há 140 anos se atreveram a tomar o céu de assalto, «tomar nas suas mãos a direcção dos negócio públicos» exige muito mais dos trabalhadores do que a justa resistência à exploração e uma imensa coragem – exige organização e direcção, teoria e prática revolucionária, consciência, disciplina e perspectiva. Partido. Que se cria na luta, e só na luta." Texto completo Aqui.