19 de dezembro de 2014

A liberdade de explorar

Não há nada mais escravizante do que a fome e a miséria, diz ministra

Tereza Campello é ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do Brasil. Num debate em que participaram também outros especialistas, a ministra disse: 

“Não há nada mais escravizante do que a fome e a miséria”, informando que entre 2002 e 2013, o país reduziu em 82% a população de brasileiros considerados em situação de fome, restando ainda quase 2% da população nessa situação. Foram factores decisivos o aumento dos rendimentos dos mais pobres. Disse ainda “Já nasceu no nosso país a primeira geração de crianças sem fome e na escola. Elas não vão repetir a trajetória de seus pais”.

Detenhamo-nos nessa frase "Não há nada mais escravizante do que a fome e a miséria" que parece óbvia mas, para muitos não o é.

Recordo Cuba em contraponto com as "liberdades" dos Estados Unidos da América. 
Cuba acusada de falta de liberdade não tem fome. Os EUA que se auto-denominam de país das liberdades, exemplo máximo, do capitalismo, estudo de Feeding América, revela que uma em cada seis crianças norte-americanas menores de cinco anos passa fome.

Se alargássemos esse conceito de liberdade à saúde, à educação, à cultura, à habitação, à segurança na velhice, à estabilidade no emprego, e a tantos outros factores básicos como aqueles, então a diferença seria astronómica. Se ampliássemos essa comparação à generalidade dos países capitalistas, poucos se orgulhariam dos resultados, ainda que, muito do nível de vida, nos países capitalistas seja efeito da exploração de muitos povos em todo o mundo. Exploração essa que é feita, não só à custa da fome nesses países como, à custa da vida de muitos milhões de pessoas, mortas para que o domínio imperialista se estenda a todo o mundo. 




Que aconteceu com as "liberdades" nos países que eram socialistas e agora são pasto do capitalismo? Os dados objectivos, os números, são incontornáveis. 

A forma de continuar a enganar, os menos avisados, é criar uma ideia de liberdade que desvie as atenções dos dados objectivos e remeta a discussão para factores subjectivos em que a liberdade de explorar é mascarada de liberdade absoluta, liberdade que se compra por quem tem dinheiro.
Nos países socialistas, em que a liberdade de explorar não existe, dizem os capitalistas, então, não há liberdade.
Sobre estes falsos conceitos de liberdade há, ainda, muito a dizer, na mesma medida em que os preconceitos e a "cultura" burguesa estão, ainda, estão muito arreigados. Quando as pessoas "abrirem os olhos" e verificarem que é essa cultura que sustenta quem está no poder para continuar a explorar, começará então a libertar-se da escravatura, da miséria moral, social e económica e, então, irá verificar que o fosso, ou o muro, que separa os muito ricos dos muito pobres, é a melhor medida para avaliar a "liberdade" desta sociedade podre. Então descobrirá que a felicidade, objectivo supremo, não se alcança com essa noção limitada de liberdade.