24 de fevereiro de 2013

A censura existe. Disfarçada mas existe


Conclusões da vitória eleitoral do anti-imperialista Rafael Correa

Da imprensa progressista estrangeira, recolhi informações que a nossa comunicação social não publica. Como referi no passado dia 19, a grande vitória de Rafael Correa, no Equador, tem sido apagada pela censura que domina os grandes órgãos de comunicação. 

Revolução Cidadã

No Equador o povo ratificou o mandato do seu Presidente para continuar o caminho traçado, avançando mais rápida e profundamente no processo da "Revolução Cidadã”. 
O projeto de criar uma ordem social baseada no socialismo do sumak kawsay, o "bem viver” dos nossos povos originários, exige atuar com rapidez e determinação, disse Correa.


A luta anti-imperialista

O povo confirmou que quer um presidente que iniciou um enorme processo de mudanças sociais e económicas no Equador.
As eleições ratificaram a política de integração latino-americana, que deu força à ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América), que pôs fim à presença dos Estados Unidos base militar de Manta, que realizou uma exemplar auditoria da dívida externa, que deu asilo a Julian Assange e que retira o Equador do CIADI (Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos, criado pelo Banco Mundial)

As conspirações financiadas pelos Estados Unidos, a manipulação da comunicão social, a oposição das classes dominantes e os estratagemas do imperialismo apesar de poderosos, não venceram a determinação e vontade do povo que defende as conquistas alcançadas.

Este poder não desgasta

O enorme triunfo de Correa demonstra que a tese "o poder desgasta”, só é válida na democracia quando o poder se exerce contra o povo.

Esta eleição superou ainda a paralisia de decisões gerada por uma Assembleia Nacional que travou algumas das mais importantes iniciativas propostas por Correa.

Vamos estar atentos à reação do imperialismo e ao reforço das conspirações contra o povo do Equador.