25 de fevereiro de 2013

A fuga de documentos secretos do Vaticano

Documentos de Deus que a Igreja não podia conhecer ou, documentos da Igreja que Deus não podia saber?

Os escândalos no Vaticano continuam a aparecer. O relatório do inquérito sobre o caso da fuga de documentos secretos vai ser também secreto. Será transmitido exclusivamente ao novo papa e não às congregações como se chegou a anunciar.

Sob o título «Sexo e carreira, as chantagens do Vaticano atrás da renúncia de Bento XVI», o jornal La Repubblica garantiu que o cardeal da Opus Dei, Julian Herranz, tinha abordado o Papa, sobre o dossiê «mais escabroso» dos documentos secretos: o de «uma rede transversal unida por orientação sexual». Segundo esse jornal essa conversa terá contribuído para a decisão da renúncia do Papa

 
Mais escândalos vão aparecendo

Hoje os jornais trazem novas informações sobre a sucessão de escândalos na Igreja.
Entretanto o Papa decidiu alterar a lei para que conclave possa ocorrer mais rapidamente e foi conhecida a decisão de afastamento do Cardeal britânico por “comportamentos impróprios”. 


O conclave que já não terá a presença do principal clérigo da Grã Bretanha, o cardeal Keith O’Brien, de 74 anos, afastado, esta segunda-feira, após acusações de conduta imprópria com outros padres. 

Um ex-sacerdote acusa o O’Brien de ter tentado manter um contacto sexual com ele num encontro noturno no seminário de St. Andrews. «Na altura tive medo de comunicar o incidente. Ele exercia sempre um poder sobre mim. Era algo mais do que meu chefe, mais que o diretor da minha companhia. Tinha a capacidade de controlar todos os aspetos da minha vida. Quando te ordenam como sacerdote fazes voto de obediência», disse o denunciante.