21 de outubro de 2012

As escutas

Os telefones de Passos Coelho, de Sócrates e a distração dos portugueses

Não quero entrar na política dos telefonemas, na política do que este disse e aquele ouviu, ou na política para distrair os portugueses dos verdadeiros crimes da política da direita. Até o chamado "líder da oposição", não faz oposição no que deveria, e vem agora como D. Quixote cavalgar sobre as escutas de Passos Coelho. Será isto que é oposição a esta política? 
Será isto oposição às imposições da troika?
Será isto oposição aos impostos que afetam os mais pobres e libertam os mais ricos?
Será isto oposição à política dos "apoios" e dos juros que favorecem os Bancos?


Pensemos bem

Não tendo muita matéria para fazer oposição, porque o seu partido (PS) está metido na tramóia da mesma forma que os Partidos do Governo, Seguro - o "líder" - apanha todos os pretextos para se fingir da oposição, sem ferir o verdadeiro inimigo - a política de direita, executada pelas troikas. 
Não falando no acordo com a troika, grita contra a matéria das escutas.
Não nos distraiamos!.
A nossa luta é contra este orçamento e contra as medidas impostas a quem trabalha.
Contra a política de direita!

Quem tem o número de Passos Coelho?

Sem intenção de distrair, faço uma pergunta que julgo tem a ver com o que é a política de direita:
Porque é que os banqueiros têm o número de telefone de Passos Coelho, como tinham o de Sócrates?
Em nome de quê?
A generalidade dos empresários, para não falar de outros cidadãos, não têm acesso directo aos nossos governantes.
Mas os Banqueiros, pelos vistos, têm. Porquê?