8 de abril de 2012

O PCP propõe


Urgente! Renegociar a dívida;
Romper com a política de direita;
Pôr o país a produzir.


Ontem, num acto público, o Secretário Geral do PCP, Jerónimo de Sousa, mostrou como eram correctas as propostas apresentadas pelo PCP, a necessidade imediata de uma política alternativa e apresentou a proposta de urgente renegociação da dívida pública, como única forma de libertar meios financeiros para pôr Portugal a produzir e entrar pelo caminho do crescimento. 

Disse Jerónimo de Sousa: "Há precisamente um ano – face à degradação da situação económica e social e à espiral especulativa que arrasava o país – o PCP propôs, em alternativa, a renegociação imediata da divida pública portuguesa a par de outras medidas que, em ruptura com o rumo ruinoso da política de direita, assegurasse um outro caminho que, não isento de dificuldades, garantiria a inversão da dependência externa no quadro de uma política de promoção da produção nacional, de dinamização do mercado interno e de valorização dos rendimentos do trabalho.




Passado um ano...


Lembrou que "Há precisamente um ano", o PCP alertou e denunciou os perigos que viriam da política de direita, neoliberal, que os partidos PS, PSD e CDS/PP teimavam em prosseguir. "Um ano depois, a situação do país aí está para provar a razão dos alertas, das denúncias e das propostas do PCP", disse Jerónimo de Sousa que concvretizou: "Um ano depois, Portugal está mais endividado e dependente, afundado numa recessão económica sem precedentes traduzida num aumento exponencial do desemprego e do encerramento de empresas, saqueado nos seus recursos e riquezas, marcado por crescentes injustiças e pelo empobrecimento da generalidade da população".


Contra factos...


Como o PCP previra e prevenira esta política serve apenas a especulação financeira, os bancos, "que, depois da construção de lucros milionários alcançados (...) é contemplada com mais de 12 mil milhões de euros em nome da sua recapitalização e beneficiária de mais 35 mil milhões de euros disponibilizados a título de garantias" e ainda os chamados mercados que associados ao BCE e ao FMI vêem garantidos, à conta do empréstimo de 78 mil milhões de euros, um acrescento em juros e comissões superior a 35 mil milhões de euros".

(Continuação)
Quem ganha com isto?


Os partidos de direita facilitaram o desvio "dos recursos que supostamente eram invocados para acudir à situação do país", para os "bolsos dos principais grupos financeiros pagos à custa da exploração e dos rendimentos dos trabalhadores e da ruína de centenas de milhar de famílias e dezenas de milhar de pequenas empresas".


Jerónimo de Sousa apelou ao rompimento "com este rumo de declínio económico, retrocesso social, saque e de dependência externa que PSD, CDS e PS, com o apoio do Presidente da República, estão a impor ao país". 


Anos de mentiras e desculpas


Acusou ainda de "que as mentiras e a propaganda do governo não iludem" a realidade e que "o irresponsável discurso do Governo sobre uma ilusória retoma" é desmentido pelas estimativas do Banco de Portugal". Esta política de direita, leva-nos por um caminho de "economia em queda livre" de recessão, "de uma retracção do PIB de 3.4 em 2012, quebra no consumo privado (- 7.3 %); destruição liquida de empregos (mais de 170 mil neste ano); redução de investimento (-18.9%); desaceleração no crescimento das exportações".


A alternativa existe. A direita esconde-a


Jerónimo de Sousa mostrou que passado um ano, a vida e os factos, mostram que o PCP tinha razão e que as propostas que defendeu e defende são actuais e urgentes "no sentido de uma ruptura com a política de direita e de uma rejeição, sem hesitações e mais demora, do Pacto de Agressão que PSD, CDS e PS estão a impor ao país".


A renegociação da dívida abrirá possibilidades para a "adopção de uma política virada para o crescimento económico tendo como eixos essenciais a defesa e valorização da produção nacional, a valorização dos salários e reformas essenciais para a dinamização do mercado e da procura interna e o apoio às pequenas e médias empresas, a dinamização do investimento público, a par da aposta nas exportações de forte valor acrescentado e na diversificação dos mercados externos".


O dinheiro não se evaporou. Onde está?


O secretário Geral do PCP mostrou ainda que o recurso a outros meios de financiamento e "a tributação efectiva dos lucros do grande capital, do património de luxo, da especulação financeira" permitem ir "buscar recursos tão necessários ao desenvolvimento do país, aonde eles efectivamente se encontram". Exigiu ainda "O termo do ruinoso processo de privatizações" e a intervenção junto de outros países que enfrentam problemas similares de dívida pública – Grécia, Irlanda, Espanha, Itália, Bélgica,etc – visando uma acção convergente face às imposições da União Europeia", para "uma resposta de fundo à situação de estrangulamento económico e social dos seus países".


Renegociar a dívida. Mudar de política


No fundo disse Jerónimo, que "a solução para os problemas do país, a salvaguarda do futuro dos portugueses exige uma política contrária à que está a ser executada". 


A concluir, o Secretário Geral do PCP, anunciou que o seu partido "apresentará uma proposta na Assembleia da República com vista à urgente abertura de um processo de renegociação da dívida publica que liberte o país das amarras da especulação e de submissão aos interesses estrangeiros e do grande capital".


Rematou, afirmando que "o país e os portugueses precisam de uma nova política. Uma política patriótica e de esquerda, condição para abrir uma nova fase na vida nacional e relançar Portugal no caminho do desenvolvimento e do progresso".


Para ver texto completo clique (aqui)