30 de setembro de 2012

A ética da política de direita*


Ou a ética liberalista dos mercados

Como é possível uma Comissão de ÉTICA, não ter ética, defendendo uma política de mercados - quem têm dinheiro pode comprar os medicamentos de que necessita - e o racionamento de medicamentos para quem não os pode comprar!
Com o argumento invocado de que "não é possível todos terem acesso a tudo", por não terem dinheiro, a Comissão de Ética explicou com exemplos numéricos - em euros! - que não vale a pena o estado gastar dinheiro com determinados doentes, como os incuráveis. Chocante!

Não explicou que "alguns podem ter acesso a tudo" por terem muito dinheiro. 
Esta política já é há muito conhecida com a célebre frase "Quem quer saúde, paga-a", no entanto agora é uma Comissão de Ética a defendê-la. Vergonhoso!

Se esta é a Comissão de Ética, podemos avaliar como são as outras comissões e "conselhos" nomeados pelos partidos da troika (do arco do poder, como alguns, por vergonha, preferem dizer).

Imagine-se esta comissão de ética a recomendar:
- Num incêndio se o número de pessoas a morrer for pequeno e os custos do combate ao incêndio for elevado mais vale deixar morrer.
- No desabamento de uma mina, antes de proceder ao salvamento dos mineiros o governo deve fazer um orçamento e ver se as famílias têm dinheiro para pagar os custos, no caso do seguro ser insuficiente.

*Política de direita - Política da classe exploradora