27 de fevereiro de 2012

Incêndio do Reichstag


A ascensão de Hitler e o início da perseguição aos comunistas na Alemanha


Há 79 anos quando Hitler foi empossado como Chanceler da Alemanha, deu-se o incêndio do Reichstag (27 de Fevereiro) que serviu para o início da perseguição aos comunistas. 

Em 2008, 75 anos depois, o Supremo Tribunal Federal da Alemanha pronunciou-se pela absolvição, dos acusados, Marinus van der Lubbe, incriminado de comunista e ter sido o responsável pelo incêndio no Reichstag. 
O procurador Reinhard Hillebrand afirmou que esta posição é uma forma de repor a justiça histórica. Segundo a atual versão da história, teriam sido os nazis a incendiar o Reichstag, como forma de aumentar o medo face ao "perigo comunista".

A denúncia de Dimitrov

Em 1933, o incêndio serviu para prender muitos comunistas entre os quais, três búlgaros, George Dimitrov, Vasil Tanev e Blagoi Popov. 

Dimitrov, afirmou categoricamente perante o acusador, Goering, que os nazis foram os autores do incêndio, com o objectivo de destruir o Partido Comunista.
A acusação de Dimitrov, foi aceite como verdadeira pela generalidade das pessoas no mundo. O Supremo Tribunal Federal da Alemanha, em 2008, finalmente, repôs a verdade histórica. Contudo ainda hoje muitos anticomunistas pretendem difundir a acusação de Hitler.
Na Foto: A queima dos livros. 
  
Com a perseguição aos comunistas veio a perseguição à cultura. Joseph Goebbels, diretor de Propaganda Política do Terceiro Reich, braço direito de Hitler, disse a frase que ficou célebre: "Cada vez que ouço falar em cultura, eu puxo o revólver".