1 de abril de 2013

Recordando Guerra Junqueiro


Em 1896 Guerra Junqueiro caracterizava a justiça “ao arbítrio da Política”. 
As suas duras palavras são hoje muito repetidas por atuais. 

Nessa altura a burguesia estava no poder há um século.  Passou outro século e a burguesia mantém-se no poder. 
Dois séculos na história não é muito. Contudo na vida das pessoas, é caso para dizer: Basta!

Estamos nós numa democracia? Numa República? onde o poder pertence ao povo? 
Hoje, a burguesia não controla apenas a Justiça como denunciava Guerra Junqueiro. 
A burguesia controla todo o Aparelho de Estado. Controla a Justiça, como então, faz as leis, domina o sistema económico, dirige a informação, forja uma educação que deforma as mentalidades, estimula a anticultura do espetáculo sem conteúdo,  das telenovelas, do “pimba”, dos programas que deformam as mentalidades e mentem naquilo que informam. 

E a Igreja? Será diferente?


A igreja colabora nesta deformação intelectual das gerações. Corrompe. É preciso criar pobres porque é deles o reino dos céus. É preciso que os explorados se deixem explorar mais, sejam humildes e, se receberem uma bofetada, como todos os dias recebem, que deem a outra face para receber outras tantas. Nada de revoltas. 
É preciso que hajam alguns muito ricos para dar esmolas aos muitos, muito pobres. É preciso que os pobres fiquem agradecidos e queiram que os ricos roubem mais para continuarem a dar esmolas. 

Esta é a cultura que vem sendo criada e que levou Guerra Junqueiro a dizer  que temos “Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas”.

Povo de cobardes?

Numa palavra: teremos um povo de cobardes que finge que não sabe pensar para justificar a cobardia, aceitar as injustiças, em vez de procurar a energia para dar o coice a quem lhes dá as pauladas?

A burguesia no poder, deforma as pessoas, estimula os mais baixos valores, o consumismo, o desperdício, cria necessidades artificiais, as marcas, as etiquetas, as modas, para sujeitar as pessoas a uma pressão que as obriga a gastar, a consumir, a deitar fora, a comprar mais e mais. O capitalismo destrói o planeta, explora todos os recursos naturais sem limites, apenas para os lucros das grandes multinacionais, como tão bem caracterizou Hugo Chaves no seu “discurso silenciado”. 

Alternância sem Alternativa?

Dizia Guerra Junqueiro, que temos um povo imbecilizado que aceita “um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do País”, pela estúpida repetição de 37 anos de “erros” dos que dizem não haver alternativa. Desculpa estafada de quem nada quer mudar. Não viveu Guerra Junqueiro nos tempos do capitalismo de hoje. Certamente por isso não disse que  o poder legislativo é cúmplice do Governo e este é criado de quarto dos banqueiros  seus patrões.

Continuará o povo a eleger pantomineiros?

Tal como antes, a burguesia procura criar trabalhadores inconscientes, que sejam explorados e aceitem a exploração de uma “burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, … sem palavra, sem vergonha, sem carácter,… pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro”.

A política de direita com novas caras, novos disfarces

Guerra Junqueiro caracterizava a política de direita e a alternância política exatamente como se passa hoje entre PS e PSD (com ou sem CDS). Dizia ele: “Dois partidos sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se malgando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar" ou com receio que a comida falte para todos se empanturrarem do mesmo tacho, acrescento eu.