4 de abril de 2013

A cultura do Pimba e as nódoas

Vou ser politicamente incorrecto. 

Nesta "democracia" políticos correctos não têm "sucesso". E eu, cruzes canhoto, não sou político.

O que está a dar é a cultura Pimba. Na política, "palhaços", Tiriricas, Beppes Grillos, e outros que tais, são a "cultura oficial" desta "democracia". São a bebida que adormece os cérebros para que as pessoas não precisem de pensar. E, não pensando não precisam de agir, de se incomodar. Esquecem os problemas e a falta de dinheiro. Basta-lhes rir que é mais saudável.

Pensar é perigoso para esta "democracia" 

A "comunicação social", alimenta esta cultura. O que é preciso é contentar as audiências. Isto é o que parece ser correto dizer. Mas, como prometi ser politicamente incorrecto, vou dizer a verdade que incomoda alguns:

Os responsáveis da Televisão, os "jornalistas", os "comentadores" lá colocados, de cultura nada percebem. Talvez de futebol. Talvez, ou, provavelmente, nem isso. Mas como foram lá colocados pelos amigos que, quando ouvem falar de cultura, sacam a pistola, são os tipos certos nos lugares certos. Seria perigoso que esses tipos fossem cultos, no sentido progressista da palavra. Não vá o cão morder o dono.

As nódoas e...



Esses (ir)responsáveis, esses que se apelidam de jornalistas, como jornalistas são umas nódoas. Não estão lá para utilizar benzina para limpar o Governo, (como dizia o Eça) mas, ao contrário, estão nesses cargos para espalhar as nódoas, disfarçando assim o contraste que evidencia a nódoa num tecido limpo. 
Segundo a sua teoria, de alimentadores de nódoas, o pano deixa de ser branco para ser uma nódoa pegada. Está então conseguida a sua função. Fica o povo sem perceber que a grande nódoa é nódoa e passa a acreditar que é a cor normal do tecido. Há nódoas como a do Relvas que só cortando o tecido conseguem saír. Mas fica o buraco no tecido já esgarçado.

O mérito de Mário Soares

É esta a "democracia" porque tanto lutou Mário Soares quando conseguiu meter o socialismo na gaveta. Trancou-o bem escondido, para que ninguém mais se lembrasse desses seus maus exemplos de juventude. Assim, com a indispensável ajuda de Kissinger e Carlucci, lançou aos ventos o Socialismo Moderno, o Socialismo "democrático" forma camuflada de espalhar a nódoa para que não se perceba qual a cor original do tecido.

Do povo que engoliu esta "cultura" e comprou como novo o tecido sujo, velho impregnado de nódoas, como sendo uma modernidade, do tal povo que referiu Guerra Junqueiro, espero falar brevemente.

Por agora, mais não digo, pois quero ir ouvir as notícias do Relvas.
Uma nódoa saiu mas deixou um buraco...