28 de fevereiro de 2012

A Justiça da falsa democracia

A Justiça Espanhola condenou quem lutou para averiguar os crimes do franquismo e se atreveu a acusar Pinochet: O juiz Baltasar Garzón. 
  
O famoso cineasta Almodovar apresentou um pequeno comentário à indigna decisão da Audiência Nacional espanhola contra o Juiz Baltazar Garzón. Esta “Justiça” impediu Garzón de investigar crimes contra a humanidade, não amnistiáveis, do regime franquista. Baltazar Garzón enfrentou o fascismo e acabou condenado.

O Supremo Tribunal de Espanha deliberou que Garzón terá de responder também no tribunal pela acusação formulada pela organização franquista "Falange" e pela organização de extrema-direita "Manos Limpias" relativamente à sua decisão de investigar os desaparecidos da Guerra Civil e do franquismo, a pedido das vítimas.

Baltazar Garzón tinha tido a coragem de perseguir judicialmente o general chileno Augusto Pinochet pelos crimes cometidos durante o seu regime ditatorial.
O fascismo não lhe perdoa tal atrevimento e moveu as suas influências na Justiça de Espanha para amordaçar Baltazar Garzón. 
É assim a justiça nestas chamadas democracias.