5 de novembro de 2011

Estamos a ser escandalosamente roubados

Cada português já deve mais de 11.000 euros aos bancos privados de dívidas que não contraíram


Sim é isso mesmo. Cada português, desde que nasce, fica logo a dever à banca privada mais de 11.000 euros. Uma família de 4 pessoas deve para já, 44.000 euros. Contudo, como os juros que estamos a pagar estão a subir, e o Estado não consegue pagar o que deve, vai ter que pedir mais empréstimos e a dívida e os juros aumentam. Em 2012 provavelmente cada português já deve mais que 12.000 ou 13.000 euros. Para os anos seguintes é sempre a subir caso esta política não seja interrompida.



Na intervençao de encerramento da Assembleia de Organização de Lisboa do PCP, Jerónimo de Sousa, divulgou que, finalmente, foi dada resposta ao PCP sobre o valor dos juros da chamada "ajuda" a Portugal.

Disse o Secretário Geral que "o valor dos juros a pagar pelo País são de 34,4 mil milhões de euros" e repetiu "34,4 mil milhões em 78 mil milhões de um empréstimo a que cinicamente chamam ajuda. Ajuda que cobra também comissões exorbitantes, 665 milhões de euros. Ou seja. Pediram 78 mil milhões e o País e o povo vão pagar mais de 110 mil milhões!"


É de facto um escândalo, um roubo, que serve exclusivamente a banca. O negócio das "ajudas" que a UE engendrou, é uma forma de extorquir dinheiro aos paises e seus povos, a favor dos mais ricos. Os bancos obtêm financiamento a cerca de 1% do Banco central Europeu (BCE) e depois emprestam aos Estados a cerca do 20% ou até muito mais, como acontece na Grécia, onde os juros já ultrapassaram os 100%.
Ou seja, nós contribuimos para encher os cofres do BCE e, depois, este banco Europeu empresta aos bancos privados a pouco mais de 1% com aval do Estado. Depois, os bancos privados, emprestam ao Estado a juros vintes vezes mais altos. Dinheiro que os contribuintes vão pagar aconteça o que acontecer. Se o banco privado falir, como aconteceu com o BPN, o Estado paga as suas dívidas, com dinheiro emprestado por outros bancos privados a 20% de juro. Depois das dívidas pagas o banco é novamente entregue aos privados, a preço de saldo. 


[Se o banco não falir pagamos-lhe juros a 20% para que o banco nos empreste o dinheiro que pusemos no BCE e que o BCE emprestou a 1% ao banco privado para o banco privado nos emprestar a 20% o nosso dinheiro que estava no BCE]. 


É isto a "engenharia financeira do capitalismo" muito mais escandalosa que o negócio da D. Branca. E assim se transfere o dinheiro que ganhamos a trabalhar para os cofres dos bancos privados que, como referi ontem, ganham mais de 1 milhão de euros por dia.