24 de maio de 2011

A Alternativa

Uma política Patriótica e de Esquerda


Renegociação imediata da dívida pública portuguesa – com a reavaliação dos prazos, das taxas de juro e dos montantes a pagar – no sentido de aliviar o Estado do peso e do esforço do serviço da dívida, canalizando recursos para a promoção do investimento produtivo, a criação de emprego.


Transformação de créditos externos de entidades públicas.


Intervenção junto de Grécia, Irlanda, Espanha, Itália, Bélgica, para adopção de medidas que libertem os países visados das inaceitáveis imposições e políticas da União Económica e Monetária e do Banco Central Europeu.


Diversificação das fontes de financiamento, emissão de Certificados de Aforro e do Tesouro para a captação de poupança nacional, bem como diversificação também das relações comerciais, mutuamente vantajosas, com outros países, designadamente de África, Ásia e América Latina.


Reforço do investimento público, voltado para a indústria, a agricultura e as pescas, para a criação e recuperação de infra-estruturas necessárias à produção, que aposte na substituição de importações por produção nacional.


Aproveitamento dos recursos nacionais, com combate ao desemprego, ao trabalho precário, à desvalorização dos salários, com o aproveitamento do mais importante potencial nacional – a capacidade criativa e produtiva de milhões de trabalhadores.


Defesa de um forte e dinâmico Sector Empresarial do Estado, recuperando para o sector público sectores básicos e estratégicos da nossa economia, designadamente na banca, na energia, nas telecomunicações e transportes.


Apoio às micro, pequenas e médias empresas (MPME) e a dinamização e defesa do mercado interno, pela melhoria do poder de compra dos trabalhadores e reformados.


(Para ver texto completo Clique aqui