28 de fevereiro de 2013

Uma peça de teatro bem montada

Troikas, entroikadores e entroikados

Após todo este tempo, ninguém pode estar convencido de que é por estupidez que os nossos ministros, a começar pelo primeiro, permanecem nesta política de desastre.
Não nos podemos deixar levar por esta encenação teatral de tais figurantes e atores.
Eles bem se esforçam por desempenhar o papel de estúpidos, de mentecaptos, de idiotas, de acéfalos, e outros bem representados.

Vítor Gaspar há anos que anuncia políticas, remédios, que os resultados mostram ser contrários ao que afirma querer curar. 
Vítor Gaspar por muito idiota que seja não pode ser tão ignorante que não saiba que tudo o que programa vai ter o resultado contrário do que anuncia como objetivo.
Então como se explica esta peça teatral que representa este governo?


Professores, Doutores, remédios, feiticeiros e feitiços



Se eu estou enfraquecido, a desfalecer por excesso de trabalho e falta de comida e, se o meu patrão se oferecer para me ajudar retirando-me o pouco que ainda comia, desconfio mas, se for crédulo, ainda posso dar o benefício da dúvida. 
Se, nos dias seguintes, estiver pior, apesar do meu “protetor” insistir que não devo comer, mais desconfio. 
Se, passadas umas semanas sem comer e a trabalhar mais, eu estiver quase a morrer sem forças, mas ainda capaz de raciocinar, penso: “Este meu "protetor" ou é estúpido e me leva à morte sem o querer ou, quer mesmo que eu morra para dar o lugar a outro que ainda ganhe menos do que eu”.

Perceber a política, ou deixar andar?

Confesso que, desde o primeiro dia, não acreditei nas receitas deste governo, da troika de cá nem da troika de lá. Mas sei que muita gente acreditou. 
Acreditaram os que dizem nada perceber de economia e que nada querem perceber de política. Esses foram “levados” pela encenação teatral dos senhores Doutores e Professores ajudados por muitos comentadores, jornalistas e politólogos nos jornais e na televisão.
 

Com o passar dos meses, os senhores doutores continuavam a insistir no tratamento do jejum. A fome e fraqueza aumentaram. Mas eles continuaram a dizer que essa é a solução. Os politólogos e comentadores começaram a vacilar e, alguns, envergonhados, já admitiam que o remédio estava errado.

Descobrir a careca. A verdade é como o azeite

Passados anos, toda a gente vê que o remédio é veneno mas os nossos governantes e a troika continuam a insistir nele.
Porquê? São os únicos estúpidos que ainda não viram o erro?

Não! Estúpidos não são, apesar de imitarem bem.

Não tenho dúvidas que, tal como o meu "protetor" que me dizia para eu não comer - e ele comia a minha comida - este governo não pode dizer que nos quer submeter à total dependência dos banqueiros alemães, sem forças, para reagir, como a rã que foi lentamente cozida sem se aperceber, - e quando percebeu já era tarde pois não tinha forças para fugir.
 
A mentira já não pega. Acaba-se o teatro


Este governo, ou melhor, esta política de direita, estes doutores, professores, estas troikas de técnicos que nos cobram fortunas pelos seus estudos e receitas, todos eles, sabem bem que os objetivos que pretendem com esta política não podem ser revelados.
Dizem que é para nosso bem porque não são tão estúpidos que caiam na asneira de dizer que é para entregar o país nas mão dos poderosos banqueiros que tudo ganham à nossa custa. Por isso dizem, com voz mansa e paternal, aos que nada querem perceber de economia e de política: “Nós é que sabemos, deixem a política e confiem nos técnicos que nós somos. Confiem nos nossos "protetores" da europa que nos "ajudam".

Os banqueiros, que retiraram dos bancos todo o dinheiro que podiam, dinheiro nosso, não podem falir. Por isso têm que ganhar os altos juros dos empréstimos que nos fazem com o nosso dinheiro. Os lucros vão para os bancos da Suiça, bem guardados e escondidos. Isso eles não podem dizer. Nem eles nem os atores da política de direita. É assim o capitalismo.