3 de janeiro de 2013

Reformados mais uma vez enganados

E agora? Continuam votar na direita? 
E agora? Quem os tira do poleiro? 
Agora, só com luta organizada os poderemos vencer.  

Na Mensagem de Natal, Pedro Passos Coelho continuou a mentir ao afirmar que 9 em cada 10 reformados escaparam ao corte das pensões. 
O governo não cumpre a lei (Decreto Lei nº. 496/80) que no seu art.º 17, diz que os Subsídios de Férias e de Natal são inalienáveis e impenhoráveis. 

O economista Eugénio Rosa num dos seus últimos estudos mostra que "440.000 PENSIONISTAS VÃO PAGAR IRS SOBRE A CONTRIBUIÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE SOLIDARIEDADE, OU SEJA, DE UM RENDIMENTO QUE NÃO RECEBEM.

Presidente que não cumpre o que jurou

O Presidente da República promulgou o Orçamento apesar de confessar ter dúvidas sobre a sua constitucionalidade. 
Agora, depois de promulgado e estar em vigor, enviou 3 alíneas para o Tribunal Constitucional para fingir que fez alguma coisa e fazer de nós parvos. 

O Primeiro Ministro, afirma que os reformados auferem pensões generosas demais, que não correspondem às contribuições por eles subscritas para a Segurança Social, pelo que considera justa a taxa que lhes vai ser aplicada (CES). 


PS+PSD+CDS a direita oportunista
  
Passos Coelho devia ter vergonha e olhar para os colegas do seu Partido, para a Presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, que recebe para além de vários "bonus" subvenção vitalícia de mais de 5.000 euros mensais aos 42 anos. O Primeiro Ministro não fala dos seus parceiros como Duarte Lima, que se reformou aos 39 anos, ou Mira Amaral, ou Catroga que se "reformou" ao abrigo da lei aplicável aos  políticos e recebe 9.000 euros mensais, lei que lhes permite a reforma ao fim de 8 anos ou dois mandatos. Esquece-se que dos Governadores do Banco de Portugal, que ao fim de 5 anos têm chorudas reformas. Esquece que os governos de direita têm feito milionários à custa do povo.


Esta é a política de direita que nos tem levado ao desastre há 36 anos. 
Não deveriam ser precisos tantos anos para termos aprendido que não podemos confiar nestes partidos da direita. Partidos que prosseguem uma política que se caracteriza pela corrupção, pela mentira, pela defesa de interesses pessoais e dos grandes capitalistas. Esses sim, continuam a ter grandes reformas e a não pagar impostos do dinheiro que levam para bancos no estrangeiro. Eles continuam a enriquecer enquanto os portugueses empobrecem.

A "democracia" que serve a direita

Temos uma democracia, armadilhada, para que o povo apenas tenha um voto de 4 em 4 anos. Uma vez eleitos eles fazem tudo o que querem, ao contrário do que prometeram, com o argumento que foi o povo que os escolheu. 
Não cumprem as leis, não cumprem a constituição. Só a luta os poderá fazer sair do poleiro. Vamos à luta.

O texto de Eugénio Rosa pode ser visto (aqui)