8 de janeiro de 2013

A falsificação do Socialismo

A Propaganda do capitalismo falsifica a história e os conceitos de socialismo
Um exemplo entre muitos:


Corre na Internet uma mensagem feita em nome de um Adrian Rogers dito professor de economia na universidade Texas Tech. Diz ele que nunca reprovou um só aluno mas, uma vez, reprovou uma classe inteira.
Relata então que essa classe tinha insistido que o socialismo funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.
O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas."


A falsificação dos conceitos

"Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam "justas" pois todos receberiam as mesmas notas".
Depois desta patranha o professor continuou a história: "O que aconteceu foi que ninguém estudou e todos chumbaram". Concluiu esse professor de economia que "No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala. Portanto, todos os alunos repetiram o ano" e explicou que "que o experimento socialista tinha falhado porque foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes. Preguiça e mágoas foi seu resultado". 


O encadeamento das mentiras

E no final, a mensagem chega ao cúmulo de afirmar:
"É impossível levar o pobre à prosperidade através de legislações que punem os ricos PELO ESFORÇO e pela prosperidade. Para cada pessoa que recebe sem trabalhar, outra pessoa deve trabalhar sem receber”.
“O governo não pode dar o que não produz. Apenas, pode dar a alguém aquilo que tira de outro alguém”.
“Quando metade da população assimila a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade da população irá sustentá-la, e quando esta outra metade percebe que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a metade vadia, então chegamos ao começo do fim de uma nação"
.
Assina: Adrian Rogers


Trabalhar para quem?

Depois desta história bem armadilhada, vamos à sua crítica:
O capitalismo quer criar a ideia de que “o socialismo é não trabalhar e dar a todos o mesmo”, criando a ideia de que uns têm que trabalhar para os outros não fazerem nada.
Esta ideia, apesar de absurda, é assimilada pela propaganda capitalista e cria a divisão entre as pessoas, dando a imagem que os ricos são os que mais trabalham. 

 
É a trabalhar que se fazem os muito ricos?


Vamos então analisar a realidade:
Na verdade é no capitalismo que, os que trabalham, nunca chegam a ser ricos e os ricos não precisam de trabalhar para serem cada vez mais ricos, pois vivem da exploração do trabalho de outros.
 

Quanto teria que trabalhar um rico como Américo Amorim ou Alexandre Soares dos Santos, para acumularem fortunas de 2.500 milhões de euros?
Se um bom professor trabalhar como muitos trabalham, 12 horas por dia todos os dias poderá ganhar por mês, na melhor das hipóteses, 3.000 euros por mês. Mesmo que só gaste um sexto do que ganha, ou seja 500 euros por mês ficaria com 2.500 euros todos os meses. Para chegar aos 2.500 milhões de euros do Américo Amorim precisaria de um milhão de meses de trabalho. Se falássemos de um bom profissional como um pedreiro, muito trabalhador, precisaria de muito mais que um milhão de meses para atingir a fortuna de Américo Amorim ou de Alexandre Soares dos Santos.

  
30.000 anos de trabalho com o ordenado do Presidente
 
Foi a trabalhar que os muito ricos ganharam essas fortunas? Quantos meses de trabalho com o ordenado do Presidente da República (cerca de 7.000 euros mensais) e sem roubar o BPN, seriam precisas para atingir a fortunas dos mais ricos de Portugal?
Mesmo que esses mais ricos não tivessem despesas, com um vencimento de 7.000 euros por mês, precisariam de 357.000 meses para acumular essa fortuna, ou seja 30.000 anos de trabalho com o ordenado do Presidente da República.


No capitalismo só alguns ganham a explorar todos os outros

De onde vem o dinheiro que Américo Amorim ou Alexandre Soares dos Santos ganharam? Vem do seu trabalho? Será que trabalham milhões de vezes mais que um professor ou um bom pedreiro?
Esta é a falsidade da propaganda do capitalismo. "Os muito ricos são os que muito trabalham". No capitalismo não se ganha muito dinheiro a trabalhar.


Socialismo é trabalho e solidariedade

Vejamos as outras falsidades.
"No socialismo os que trabalham recebem o mesmo do que os que não trabalham". Mentira! No socialismo todos têm o dever de trabalhar e, para trabalho igual, há salário igual. No socialismo ninguém vive do trabalho de outros.
O socialismo recompensa o trabalho, mas também apoia quem não pode trabalhar por razões que não são da sua vontade ou por interesse de todos. Apoia na doença, apoia os inválidos, as mulheres que têm filhos a seu cargo, os jovens estudantes e todas as situações de justiça social.


Respeito por quem trabalha

Por isso é também falso que “numa sociedade socialista os que trabalham fiquem desmotivados por ter que apoiar os que não trabalham”. É falso que no socialismo se recompense a preguiça.
Essa mentira também falsifica a História dos países socialistas como a URSS. Antes de 1917 o país estava numa total miséria. Enfrentou a Primeira Grande Guerra que deixou o país na mais profunda miséria, fome e doença. 


O que mostra a História
 
O regime socialista implantado em 1917 começou a fazer renascer das cinzas um país devastado. Os países capitalistas que não queriam que o socialismo vencesse, invadiram a URSS para apoiar os czaristas, capitalistas, a burguesia e aristocracia, na Guerra Civil que se gerou. Foram anos de guerra civil destruidora que, apesar de todos os ataques externos, os socialistas venceram.
Passados poucos anos, veio a Segunda Grande Guerra Mundial, que apanhou os soviéticos a recuperar da miséria em que o país estava. Na guerra entre 1939 e 1945 morreram mais de 20 milhões de soldados e trabalhadores soviéticos que se mobilizaram para vencer os Nazi-Fascistas comandados por Hitler. Foram os homens e mulheres na força da vida que mais sofreram e morreram. A URSS foi o país que maior esforço fez para vencer a guerra e o que mais sofreu. Mais uma vez os socialistas tiveram que começar tudo de novo para reconstruir o país. 

 
Vinte anos para recuperar um país destruído  


Em vinte anos, depois de 1945, a URSS tinha alcançado o país mais rico do mundo, os Estados Unidos da América. As condições sociais dos trabalhadores foram de tal forma avançadas que estimularam os trabalhadores de todo o mundo a reivindicar novas regalias e obrigaram os países capitalistas a conceder mais direitos (o que, agora, sem os países socialistas, o capitalismo está a fazer voltar atrás).
A URSS em vinte anos depois da Guerra, atingiu os primeiros lugares do mundo em muitas áreas, da ciência da tecnologia, do ensino da assistência social, na conquista do espaço.
 

O fim do capitalismo aproxima-se

Achará o tal professor que chumbou a turma inteira, que foi com trabalhadores desmotivados que a URSS atingiu esses resultados?
O Capitalismo para continuar a explorar precisa de mentir, enganar e de acabar com as experiências socialistas. Para isso usa a falsidade, a mentira, a vigarice e se preciso for a guerra. São estas as características do capitalismo e da política de direita que o apoia. A verdade triunfará.