2 de setembro de 2012

Jornalismo de hoje


Notas de um Noticiário (das 20.00 da RTP1)

Informa-se que aumenta o tempo de trabalho como se isso fosse uma novidade.
Refere-se que aumenta o desemprego. Normal.
Não se nota que aumenta a exploração. O telespectador que conclua.

Entrevistam uma trabalhadora que testemunha ser vítima do aumento acentuado do horário de trabalho. Trabalha sem receber e não o pode dizer. A trabalhadora não mostra a cara e disfarça a voz. A censura e a perseguição está patente na grande quantidade de trabalhadores que se recusam a prestar informações e nos que o fazem sem mostrar a cara. Disso a televisão não fala. O telespectador que conclua.

Durante o noticiário falou Passos Coelho, falou Cavaco Silva e António José Seguro. Louçã teve algum tempo de antena, para que se diga que a oposição também fala.
O PCP, principal inimigo dos "situacionistas", desta política e da troika, mais uma vez foi calado pela censura. É como se não existisse, é como se não houvessem alternativas.

Manipulação da informação, medo e censura como no fascismo mas sem PIDE. Os "agentes da PIDE", agora, são os que fazem a auto-censura e preferem acobardar-se.
A "PIDE de hoje" é o "salve-se quem puder", é a lei da selva, é a cobardia que atua na sombra através da "competitividade desleal", da desonestidade, da falta de ética, da chantagem e do oportunismo para ter sucesso.


Corrigido às 01.25 de 3/9