26 de agosto de 2015

Rastos do Tempo

Um trabalho que é mais que a beleza da imagem e som


Fotografias muito belas de Armando Jorge, música, arranjo, orquestração e interpretação de Chico Gouveia (sintetizadores), sobre um tema original de José Neves. A música enquadra bem a mensagem que as fotografias transmitem.
Rastos do Tempo pretende ser um singelo documento das ruínas do mundo rural português, mas também um aceno de esperança! Sim não percamos a esperança. No entanto essa esperança tem sido frustrada pela política que levou o país a uma situação de retrocesso enorme. Não basta a esperança, é preciso que tomemos consciência das causas desta realidade para que não caiamos nos mesmos erros. 
Os idosos retratados, que proporcionam as belas imagens, mostram nos seus rostos a dureza da vida que os marcou. Vida que não queremos para os nossos filhos ou netos. Esses exemplos merecem-nos essa atenção. 
Os jovens que no documentário, são o sinal da esperança, que têm um futuro à sua frente, um futuro que, inevitavelmente, terá que ser de luta para que os tempos não voltem ao passado retratado. Esperança que depende do que a geração presente lhes proporcionar e do que virão a aprender para terem vida melhor que os seus pais.
Apreciemos o trabalho de Armando Jorge e Chico Gouveia sem esquecer que as imagens são pessoas, com alegrias e sofrimentos, que representam vidas e lutas.