20 de fevereiro de 2013

Por uma UNIDADE que valha a pena

É preciso ir ao cerne da questão: Unidade para quê?
Produtos da mesma fábrica, com embalagens diferentes, têm efeitos diferentes?

Seguro, Sampaio, Pina Moura, Mário Lino, João Proença e vários outros dirigentes e figuras do PS e BE juntaram-se em unidade, num jantar de homenagem a Carlos Brito, o famigerado dissidente do PCP. 
O PS parece ser o abrigo (ou caixote do lixo), dos que sentem que é nesse partido que melhor podem fazer as negociatas que lhes têm dado altos lucros.  

Que compromissos para uma política de esquerda?

Nesse jantar os discursos mostraram o oportunismo de quem se mascara de esquerda mas não assume uma rutura com a política de direita que o PS tão bem tem servido ao longo dos anos.

Nesse jantar de "amigos" em que a "unidade" se faz com corruptos e responsáveis pela política das Troikas, não se viu nem ouviu uma tomada de posição, um compromisso de luta, contra esta política de direita. 


Imagem "arrastada" do Arrastão http://arrastao.org/1531628.html

Produtos brancos

Queremos uma "unidade" para construir a tábua de salvação do capitalismo, dos bancos e banqueiros, para quando (como disse Seguro, não há pressa) o Governo caír de podre? 
Queremos uma "unidade" mascarada de esquerda para melhor enganar?
Esse jantar mostrou uma "unidade" dos que não se atrevem a por em causa o cerne da política de direita. É como diz o povo, mudar as moscas mas deixar a mesma merda. Ou se preferirem "mudar alguma coisa para que tudo fique na mesma". 

Disse o poeta popular, António Aleixo:
P'ra a mentira ser segura
e atingir profundidade,
tem de trazer à mistura
qualquer coisa de verdade.
Neste caso "nem a verdade é verdadeira". É apenas a aparência de uma ideia de Marketing que pretende vender mais a quem está menos prevenido. Uma ideia que funciona como a embalagem bonita para esconder um mau produto.

As mesmas ideias em diferentes embalagens

Foi flagrante o "lapso" da coincidência de desta "unidade" à volta de um documento com o mesmo  título da Moção de Passos Coelho. Isto mostra que até os lapsos não aparecem por acaso. São produto de uma "fábrica" que produz as mesmas ideias para defender a mesma política, mas com rótulos diferentes. São os produtos brancos que vendem melhor em tempos de crise.