17 de janeiro de 2012

Trabalhadores continuam a pagar a crise.

Acordo? Concertação Social?

Para que serve mais este sacrifício se a política destes governos de direita, na ânsia de servir os exploradores, continua a afundar o país?


Este governo, tal como o anterior e o anterior ao anterior e... repetem uma política suicida. Insistem em fazer os trabalhadores pagar a crise que a política que se recusam a mudar, provocou.
 
Estamos no sec. XXI. A ciência e a tecnologia permitem hoje produzir centenas de vezes mais que a do Séc. XIX. Hoje as máquinas e as técnicas permitem fazer com um trabalhador aquilo que no Séc. XIX teria que ser feito por centenas de trabalhadores.
 
A extração de matérias primas exige muito menos meios humanos que no Séc. XIX. A fabricação de meios de produção e bens de consumo é mais barata e cada vez depende menos do custo da "mão de obra". 


Apesar de tudo isto, o capitalismo aumenta as horas de trabalho e paga menos aos trabalhadores. Aquilo que a civilização criou para benefício de todos está a ser retirado aos trabalhadores para benefício de uma pequena minoria.
 

Uns comem os figos a outros rebenta a boca


O "acordo" que o Governo conseguiu com os protagonistas da Concertação Social, é mais uma facada nos trabalhadores. É um acordo que ao contrário do que dizem vai aumentar o desemprego e a recessão económica do país. 
 
Os desempregados estão a ser obrigados a trabalhar por salários muito abaixo do legal, do salário mínimo, e agora inferior ao seu subsídio para o qual descontaram. 

O subsídio de desemprego, pertence por direito ao trabalhador, já que para o receber descontou enquanto trabalhava.
Com esta manobra de obrigarem os trabalhadores a aceitar salários de miséria, só para não morrerem à fome o Governo consegue que os patrões comecem a reduzir os salários à vontade. 

Roubar para roubar mais
Ou seja, o desemprego está a servir para redução geral dos salários e para uma redistribuição dos rendimentos ainda mais injusta entre o trabalho e o capital. 
 
Com este acordo o Governo usa o dinheiro dos trabalhadores confiado à Segurança Social para financiar a redução dos salários.
 
Diz Daniel Oliveira no Expresso, que esta medida "Retira ao subsídio de desemprego a sua função reguladora do mercado. Ajuda a uma pressão geral para a redução salarial. E fá-lo usando os descontos dos próprios trabalhadores. Ou seja, põe os trabalhadores a subsidiar a sua própria desgraça. Faz mais do que isso: convida, através deste subsídio à redução do salário, o empregador a baixar a média salarial que pratica".

Aconselho a verem esta entrevista    http://videos.sapo.pt/WLgcArf6oIyI0aFuzEjr